sábado, 29 de setembro de 2012

Médicos com o selo "60% de acertos"

Segue texto que saiu na Folha de S. Paulo hoje sobre a prova CREMESP.


FABRICIO DONIZETE DA COSTA E HENRIQUE SATER DE ANDRADE
TENDÊNCIAS/DEBATES

Não é ser do contra ou medo de reprovação. Mas o Cremesp não pode nos avaliar com um mero teste de múltipla escolha, sem nem discutir nossos currículos
Seis anos depois de ingressarmos em uma das melhores faculdades de medicina do Estado, recebemos em julho deste ano a notícia de que um decreto do Cremesp, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, nos obrigaria a realizar um exame para podermos atuar como médicos.
Vários especialistas defendem a prova. Ignoram, porém, os buracos de um teste nesses moldes.
Como uma prova de múltipla escolha pode avaliar seis anos de contato vivo com a educação médica, com laboratórios de anatomia, visitas domiciliares a pacientes em bairros periféricos, plantões de 24 horas em prontos-socorros e consultas em ambulatórios especializados?
Não há nada em uma prova assim que lembre a diversidade dos cenários de prática que vivemos diariamente durante o curso de medicina.
No afã pela cura das deficiências na educação médica no Brasil, pela redução do número de erros médicos e dos males causados pela abertura de novas escolas, surge a panaceia do exame do Cremesp.
Nós acreditamos que o nosso curso precise, sim, de avaliação externa, mas não por prescrição goela abaixo, com a fórmula amarga de um exame de habilitação ranqueador e punitivo.
Vão dizer que os estudantes são sempre do contra. Ou que não gostamos de provas, que somos medrosos. Temos medo é de formas minimalistas e precipitadas de enxergar os problemas.
A medicina é um curso eminentemente relacional, que mistura teoria e prática, multidimensional. Trata-se de uma carreira que nos impele à educação permanente e ao trabalho em equipe. Vamos acreditar que a sociedade terá as suas necessidades atendidas por médicos com um selo "60% de acertos", tornando alunos reféns de exame?
Em vez da pretensão de avaliar a formação de um estudante de medicina em um único plano, monocromático, seria mais plausível avaliar currículos, campos de prática, estrutura universitária e corpo docente. A prova só garantirá que os reprovados serão taxados pelos problemas causados por um processo de seis anos de déficits.
Não somos críticos do exame por medo de não alcançarmos a nota mínima desejada, mas por contestarmos a falsa sensação de que ele cria segurança. A população terá as suas necessidades atendidas de melhor forma com um esforço de avaliação mais amplo, continuado e com várias dimensões. É preciso também garantir infraestruturas material e humana adequadas às escolas.
Depois de seis anos de longos estudos, especialistas que sequer discutem nossos currículos nos obrigarão a fazer uma prova. Se as múltiplas escolhas da prova se tornaram a única escolha, não há como os alunos não se manifestarem contra.
FABRICIO DONIZETE DA COSTA, 24, e HENRIQUE SATER DE ANDRADE, 23, são estudantes do último ano do curso de medicina da Unicamp

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Prestação de Contas da Campanha a vereador de Taboão: Afonso 50123

Dando seguimento a postura de transparência nos gastos eleitorais, exponho abaixo as informações prestadas a justiça eleitoral das doações e despesas de minha campanha até o dia 30/08/2012.
Ressalto que todos os companheiros (as) que estão fazendo campanha distribuindo materiais e divulgando a candidatura,  o fazem por convicção sem receberem um centavo, e isso não tem como quantificar em valor.
Se você puder e quiser contribuir financeiramente para a reta final seu apoio será bem-vindo.
Abraços e até a vitória!
Afonso


FICHA DE AFONSO

AFONSO
TSE/Divulgação

AFONSO

PSOL - PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE

50123
  • Nome completo: JOSÉ AFONSO DA SILVA
  • Sexo: MASCULINO
  • Nascimento: 30 de setembro de 1970
  • Estado civil: CASADO(A)
  • Nacionalidade: BRASILEIRA NATA
  • Naturalidade: SÃO PAULO - SP
  • Grau de instrução: ENSINO MÉDIO COMPLETO
  • Ocupação: AUXILIAR DE ESCRITÓRIO E ASSEMELHADOS

DADOS DA CAMPANHA

Receita da Campanha
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:MARCUS WILLIAM RONNY KOLLBRUNNERDoação: 720,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:SHEILA RAMOS SANTANADoação: 430,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:MIGUEL LEME FERREIRADoação: 56,50
  • Tipo da receita:Recursos própriosDoador:JOSÉ AFONSO DA SILVADoação: 800,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:EDEMILSON ANTONIO PEREZ CLEMENTINODoação: 140,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:MIGUEL LEME FERREIRADoação: 250,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:ANDRÉ LUIZ FERRARIDoação: 500,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:KATIA CRISTINA DA SILVA SALESDoação: 500,00
  • Tipo da receita:Recursos de pessoas físicasDoador:JAIR BRÁS DA SILVADoação: 1270,00
  • Tipo da receita:Recursos de outros candidatos/comitêsDoador:Comitê Financeiro Municipal ÚnicoDoação:5.000 jornais 8 tb 4x4 - papel jornal
    Total: 4666,50Doações até o dia 30 de agosto de 2012, apontadas na 2° prestação de contas parcial.

Despesa da CampanhaR$ 4.595,00
  • R$ 1.700,00Tipo da despesa:Publicidade por materiais impressosDescrição:2 TB 4X4 - PAPEL JORNAL - 30 MIL EXEMPLARESFornecedor:PANA EDITORA GRÁFICA LTDA.
  • R$ 650,00Tipo da despesa:Publicidade por materiais impressosDescrição:10.000 FOLHETOS FORMATO 20,5X27 CM, 1WC 60 GR. 4X4 CORESFornecedor:JLGRÁFICA
  • R$ 65,00Tipo da despesa:Publicidade por materiais impressosDescrição:1000 CARTÕES DE VISITA, COUCHÊ 250 GR. CORES 4X1Fornecedor:JLGRÁFICA
  • R$ 130,00Tipo da despesa:Publicidade por materiais impressosDescrição:IMPRESSÃO 2000 CARTÕES DE VISITAFornecedor:JLGRÁFICA
  • R$ 1.250,00Tipo da despesa:Publicidade por placas, estandartes e faixasDescrição:250 BANNERS TAMANHO 0,30X0,50 CM EM LONA FRONTFornecedor:JLGRÁFICA
  • R$ 800,00Tipo da despesa:Produção de jingles, vinhetas e slogansDescrição:UM JINGLEFornecedor:OSAIR OLIVEIRA NOVAES

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Juventude discute falta de democracia e violência nas escolas

Neste sábado, 29/09, acontecerá mais uma reunião convocada pela juventude da LSR e pelo núcleo socialista do PSOL para discutir a falta de democracia e violência nas escolas. Compareçam!
Clique aqui para baixar e ler o panfleto em pdf


Vídeo do Candidato a Vereador: Afonso - 50123


Vídeo feito pelo companheiro Matheus Guzzo (que se encontra na Holanda neste momento) para minha campanha a vereador Pela Frente de Luta Socialista em Taboão da Serra (PSOL/PSTU).
Com Fala do companheiro Stan, candidato a prefeito em Taboão da Serra, do professor Toninho (candidato a prefeito de Embu), de André Ferrari, direção nacional do PSOL; Patrícia Bravo da Comissão Independente de professoras ADIs e também candidata a vereadora e Guilherme Boulos, da coordenação nacional do MTST.
O vídeo passa muito bem a ideia de candidatura que queremos construir em Taboão.
Assista e você nunca mais verá as eleições em Taboão da mesma forma.



quarta-feira, 26 de setembro de 2012

NOTA DE SOLIDARIEDADE DO MOVIMENTO POR DEMOCRACIA E INDEPENDÊNCIA NO SINPEEM SOBRE ACIDENTE OCORRIDO EM ESCOLA DE TABOÃO DA SERRA



No dia 19/09/2012 um aluno de 5 anos de idade foi atingido na cabeça por uma televisão que caiu do rack onde estava precariamente acomodada. Esta fatalidade ocorreu na E.M.I. Bidu, escola municipal localizada em Taboão da Serra e teve ampla repercussão pelos meios de comunicação. O aluno ficou gravemente ferido, mas felizmente já deixou a UTI e vem se recuperando bem, segundo as informações da equipe médica.
A tragédia aconteceu no momento em que a professora levava parte dos 29 alunos, todos eles com 5 anos de idade, ao banheiro para fazerem suas higienizações. De acordo com a Conferência Nacional de Educação (Conae) o número máximo de alunos por sala de aula na educação infantil deveria ser de 15 alunos por sala, e não 29 alunos, como ocorre na E.M.I. Bidu.
Além da superlotação, a nota divulgada pela Comissão de Professoras ADIs - ATRASPACTS de Taboão da Serra também afirma que os motivos que levaram ao acidente estão relacionados à falta de profissionais e infraestrutura nas escolas, assim como a má qualidade dos equipamentos. A nota diz ainda que as escolas de Taboão convivem com vidros quebrados com cacos expostos, goteiras e chão molhado, fios desencapados, carteiras quebradas, entulhos pelos corredores, buracos de esgoto sem ralo, sanitários entupidos etc.
Tendo em vista o flagrante descaso do poder público diante das péssimas condições de funcionamento das escolas municipais de Taboão da Serra, o Movimento por Democracia e Independência no Sinpeem vem a público para repudiar toda e qualquer tentativa de responsabilizar e criminalizar a professora da E.M.I. Bidu pelo acidente ocorrido.
Nosso movimento presta a mais sincera solidariedade à professora, a todos os profissionais em educação desta escola e do município e exige punição do Secretário de Educação e do prefeito de Taboão da Serra, os grandes responsáveis pelo acidente ocorrido.

São Paulo, 26 de setembro de 2012

Movimento por Democracia e Independência no Sinpeem

Primavera Carioca: uma sociedade socialista é possível!

Do site da LSR

Por LSR Rio de Janeiro - 20 de setembro de 2012


A cidade do Rio de Janeiro está em debate como a muito não se via! Enquanto o atual prefeito e seus comparsas fingem que a cidade é maravilhosa para todos e todas, a maior parte da população sofre com a falta de atendimento de saúde, com uma educação pública entregue aos marqueteiros e sem autonomia pedagógica, com remoções, altas taxas no transporte público de péssima qualidade entre outras mazelas que aprofundam a desigualdade social e mostram que a cidade do Rio é será cada vez mais para poucos, além disso não podemos deixar de mencionar as comprovadas ligações escusas entre o atual prefeito e o crime organizado e as máfias.
Mas este cenário de descaso com a população infelizmente não é novo no Rio de Janeiro, a diferença nessa eleição é a possibilidade concreta de uma alternativa de projeto diferente, coletivo, que traz a certeza de que nada deve parecer natural.
Eduardo Paes do PMDB, mesmo partido de Sergio Cabral, que é citado por ligações escusas com a empreiteira Delta, possui um amplo apoio dos partidos tradicionais de direita, e de outros que até bem pouco tempo se diziam de esquerda, são 20 os partidos que compõe a sua coligação e dão ao atual prefeito 16 minutos de campanha publicitária na TV, mais que alguns jornais televisivos. Sua campanha está entre as mais caras do país, o atual prefeito arrecadou 6.993.680,49 reais para essa campanha, com doadores como Abolição veículos 15 mil, Carvalho Hosken Engenharia e Construções 150 mil, Coesa 200 mil, CRBS S/A 300 mil, Even Construtora e Incorporadora 50 mil, Gotland Veículos 15 mil, Postos Ipiranga 100 mil, Multiplan Empreendimentos Imobiliários 500 mil, RJ refrescos - distribuidora da Coca Cola - 4.278 reais, San Diego veículos 20 mil, Vamarco Particip. Administ. e Empreendimentos 150 mil e o comitê financeiro municipal, único através do qual os doadores não são identificados 5 milhões 894 mil e 402,49 reais.
A unidade da classe dominante em torno de Paes não é por acaso, o Estado do Rio de Janeiro tornou-se a vitrine dos megaprojetos e megaeventos e a capital, a cidade do Rio de Janeiro, a sede da “festa dos grandes negócios”. Até o ano de 2020 o governo do estado estima que seja investido aproximadamente 1,9 trilhões de reais no estado. Os megaeventos, copa do mundo em 2014 e Olimpíadas em 2016 aprofundam o projeto econômico em curso no Estado que concentra renda, solo e produtos naturais. São megaempreendimentos voltados para a exportação do pré-sal, as grandes siderúrgicas e os portos.
As grandes corporações já lucram ao extremo, principalmente com investimentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Os desembolsos desta instância pública saltaram de 20 bilhões em 1999, para 140 bilhões em 2011. Enquanto isso a cidade do Rio de Janeiro alcançou o último lugar entre as capitais brasileiras no Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde (Idsus), possui o pior atendimento de saúde a população. Na educação não é diferente, o Rio tem o pior Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) entre as cidades do sudeste do país.
Mas este bloco de unidade da burguesia não contava com a primavera carioca, a unidade entre aqueles que não querem mais este projeto que só privilegia as empreiteiras, construtoras e grandes corporações. O Freixo já alcançou 18% nas pesquisas e não para de crescer a cada nova divulgação de intenção de votos, com fortes possibilidades de alcançar o segundo turno. Freixo vem chamando os movimentos sociais para construir uma campanha coletiva. Foram 3 mil jovens na Cinelândia afirmando “a juventude fecha com Freixo”. Centenas de educadores, militantes da saúde, feministas, ativistas LGBTTT’s, sim, estes também “fecham com Freixo”. A primavera carioca resgata a velha tradição da militância na rua, que “acredita em seu ideal e por isso não ganha um real”. São novos tempos, com o resgate da velha política combativa, unitária, coletiva, aonde o povo ocupa as praças, ruas, espaços públicos e não se cala!
O debate político coletivo, participativo e militante vem renascendo, mas são passos iniciais! Não podemos cometer os mesmos erros das gerações anteriores, junto com a esperança temos que trazer as lições e conclusões que aprendemos. Hoje Marcelo Freixo é fundamental para reascender a crença na luta política, no entanto não podemos perder a dimensão popular da luta direta, mas isso só vai se concretizar se esta mobilização social continuar. Acreditamos que o PSOL é um partido necessário para servir como uma ferramenta de luta para o povo, por isso, deve ser radicalmente democrático, funcionado por núcleos de base onde os militantes do partido discutam e decidam seus rumos e não os gabinetes e/ou mandatos, o partido e seus parlamentares devem girar em torno das decisões de seus militantes organizados e não o contrário. Esta é a hora de chamarmos a juventude e as pessoas que se reencantam com a política, para construir o PSOL, fundar núcleos do partido em seu bairro, sua escola, etc. Queremos mais que ouvir a voz da juventude e dos movimentos sociais, queremos sentir a força de suas ideias, queremos os frutos de sua luta organizada!
A responsabilidade da candidatura do Marcelo Freixo é enorme e não deve se resumir na eleição, mesmo em um possível governo do PSOL com Freixo, as lutas sociais vão ser ainda mais necessárias, pois para derrotar as OSS’s e combater os contratos fraudulentos com as grandes corporações, vamos ter que pressionar a burguesia. Afinal um possível governo do PSOL não esta lá para gerenciar o capital e sim para combatê-lo, neste sentido, mais do que nunca a organização popular, autônoma e combativa, deve utilizar dos seus métodos de luta para ajudar a pressionar a burguesia e gerar mudanças efetivas nos rumos da cidade. Para tanto, a unidade da esquerda é fundamental, e a luta de classe deve vir em primeiro lugar. Queremos que a esquerda combativa atue junta no dia a dia denunciando os ataques da burguesia e exigindo nossos direitos!
Não é verdade que todo apoio é igual no segundo turno. Já aprendemos com a história do PT que as alianças e unidades, mesmo que pontuais, com setores não classistas só servem para fragilizar a luta dos trabalhadores e reforçar as instituições burguesas. Queremos o apoio dos trabalhadores e não de nossos patrões, nosso inimigos, como o PSDB. Somos oposição ao que chamamos de Lulismo e é tarefa do PSOL se construir como uma alternativa de fato, por isso é necessário identificarmos a oposição de direita que no frigir dos ovos tocam a mesma “música” dos que estão hoje no poder.

Rumo aos segundo turno! Fechamos com Freixo!

Fechamos com um projeto alternativo, que se diferencie tanto do Lulismo quando da direita tradicional: Nem “Lulismo” e base aliada, nem tucanos!!!
Fechamos com o PSOL e com a necessidade de nos fortalecemos como alternativa real para os trabalhadores e trabalhadoras!
Fechamos com o fortalecimento das lutas, das greves, dos movimentos sociais e pela defesa dos nossos direitos de forma autônoma, combativa e democrática!
Este é um momento oportuno para que a militância socialista, aguerrida e combativa do PSOL, junto com Freixo, se construa como um projeto alternativo para a população. A nossa vitória dependerá da nossa capacidade de nos diferenciarmos de tudo que esta aí e de sairmos mais fortes, e mais organizados como uma referência para a população e a juventude carioca e brasileira!
Não aceitamos mais este sistema podre que só favorece os ricos, que mata, escraviza e oprime, “não me ataca, não abusa, não sufoca, que eu não deixo”! Pelo fim do capitalismo e por uma sociedade socialista e livre! Rumo ao segundo turno com Marcelo Freixo PSOL 50!!! 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

ATO NA CPI DOS INCÊNDIOS

Todos contra os crimes a favor dos ricos! 



     Nesta quarta feira, 26/9 ocorre um ato denúncia dos escandalosos incêndios em favelas na frente da Câmara Municipal de São Paulo. A manifestação ocorre no horário de mais uma reunião da CPI dos Incêndios que acontecerá as 12h. Além de representantes das comunidades várias organizações participam do ato que pretende pressionar a CPI a tomar providências efetivas quanto aos incêndios.
     Somente em 2012, quase 40 incêndios atingiram favelas em São Paulo, desabrigando milhares de famílias. Nenhum governo (prefeitura, governos estadual e federal) presta assistência a essas famílias. As áreas das comunidades estão em regiões de extrema valorização imobiliária. Os pobres são empecilho pra grandes empreendimentos pretendidos por construtoras e governos e os incêndios ajudam a expulsá-los dessas regiões.
O MTST é solidário às famílias na resistência e na denúncia do descaso por isso está presente nessa e nas demais lutas contra os incêndios!

Contato: Simões (coordenação nacional do MTST)
Telefone: 19-82194185

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Falta de democracia e autoritarismo de diretores contribui com o aumento da violência nas escolas

Por José Afonso da Silva


Cansados de tantos assaltos, furtos e até arrastões, os estudantes da escola Edgar Francisco junto com pais, professores e comunidade do Jardim Guaciara, organizaram no último dia 11 de setembro um grande protesto que caminhou da escola até a Praça Luiz Gonzaga.
A iniciativa dos estudantes da escola Edgar Francisco fez com que denúncias de falta de segurança sofridas por várias outras escolas como Alípio, Laurita, Almir Pereira Bahia, Dep. Heitor viesse à tona no noticiário.
Os estudantes, professores e pais formaram Comitê Contra a Violência (CCV) com o objetivo de convocar os alunos de outras escolas do município a se organizarem e participarem do ato que ocorreu no último dia 18 de setembro no centro de Taboão da Serra, de onde cerca de 30 pessoas seguiram até a Câmara Municipal, na qual foi aprovado requerimento com votação unânime dos vereadores acatando as reivindicações de toda a comunidade para resolver os problemas da segurança na região.
O ato poderia ter sido igual ao de 11 de setembro – que contou com mais de 400 pessoas – ou pelo menos bem superior aos 30 presentes no ato.
Ao invés de incentivar estudantes, pais, professores e comunidade a se organizarem, a postura da direção da escola foi a de colocar obstáculos a participação dos estudantes na manifestação. E, pra deixar mais claro sua contrariedade com a organização da comunidade, a mesma proibiu as reuniões do Comitê Contra a Violência que aconteciam na escola todas as segundas-feiras, às 18:00, com o objetivo de dar continuidade da luta contra a violência na região. Agora são obrigados a fazerem reunião em espaços fora da escola.
A diretora deveria agradecer a mobilização dos estudantes, pois após as manifestações, pelo menos até onde consta, não houve mais relatos de assaltos e arrastões na porta de escola, seja pela presença de uma viatura da GCM na porta da escola, seja pelo fato dos assaltantes terem migrado para outra área.
Isso só foi possível pela participação em peso da comunidade, mesmo a contragosto da diretora.

O autoritarismo é inimigo da democracia

Infelizmente, a postura da diretora do Edgar Francisco tem sido a mesma de muitos diretores das escolas estaduais: agem como ditadores impedindo a organizações dos estudantes, a formação de grêmios livres e até mesmo manifestações culturais e esportivas.
Estudantes que fazem denúncias dos problemas da escola ou de seu entorno são taxados como baderneiros ou de estarem arrumando desculpa para não assistirem aulas.
O grau de autoritarismo chega ao ponto em que numa escola que estava sendo panfletada, a diretora pediu para que parassem com a distribuição de material “na sua calçada”. Chegando a insinuar que tomaria providências para parar a distribuição do material (leia-se chamar a polícia).
Muitos diretores agem como se a escola fosse propriedade sua e não um espaço público que deveria estar aberto, não apenas ao aprendizado, mas também para a organização dos estudantes e da comunidade.
Não entendem esses diretores (as) que a organização dos estudantes na luta pelos seus direitos é a melhor arma contra problemas como bullying, depredações e violência entre alunos. Aluno que se organiza é aluno que toma consciência da importância de lutar pelos seus direitos.
Mas como fica claro no caso da escola Edgar Francisco, a diretora tem medo da democracia e da organização dos estudantes.
Fato concreto é que pela falta de democracia nas escolas, as constantes práticas de assédio moral contra professores e a falta mecanismos que possibilite a participação dos pais e da comunidade, fazem com a escola pública não seja um espaço saudável pra quem a freqüenta
É importante aproveitar esse momento para estender a luta contra a violência nas escolas, iniciar um grande movimento de formação grêmios livres estudantis, rumo à organização de um encontro municipal de estudantes de Taboão da Serra.

Esse é só o começo da luta. Venha participar da reunião da juventude da LSR (Liberdade, Socialismo e Revolução), e do núcleo socialista do PSOL), onde estaremos discutindo esse outros temas.

Data: 29 de setembro
Horário: às 16 horas
Local: Av. Jovina de Carvalho Dáu, 125, centro, em frente à EE Domingos Mignoni)
Contato: 99729-6169 e-mail: afonso.lsr@gmail.com

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Tragédia na E.M.I Bidu: Responsabilidade da prefeitura

Por José Afonso da Silva


No dia 19/08/2012, quarta-feira, por volta das 18h30, alunos da turma do Jardim II da E.M.I Bidu, como acontece todos os dias, foram encaminhados ao banheiro para fazerem sua higienização e se prepararem para a hora da saída.
Esta turma é composta por 29 alunos, onde todos têm cinco anos de idade. Estas 29 crianças ficam sobre a guarda de apenas uma professora.
A higienização é feita nos banheiros que ficam ao lado da sala de aula, cerca de dois metros da porta da sala. Neste dia, cumprindo a mesma rotina de sempre, a professora levava todos ao banheiro e os que iam terminando voltavam pra sala de aula. Enquanto isso a professora se desdobra para observar os alunos que estão fazendo a higienização no banheiro e os que estão na sala. Pedia aos que estavam na sala que arrumassem as mochilas e aos que ainda estavam no banheiro para que retornassem à sala. Lembrando que a distância entre a sala e os banheiros é de aproximadamente 2 metros. (Isso é importante frisar, porque tenta-se dizer que a professora estaria no banheiro e teria deixado as crianças sozinha, o que é uma mentira!)
Em seguida, voltando à sala de aula, a professora se depara com uma das crianças, caída no chão e ao lado  uma televisão de 29 polegada que escorregou do rack.
A professora segurou imediatamente a cabeça da criança, que estava imóvel, para que ela não se sufocasse com o sangue que saía de seu nariz.
A coordenador é chamada, já que o diretor não estava presente, e imediatamente foi  acionado o SAMU, que de acordo com os informes chegou ao local em 3 minutos.
Na pressa em atender a criança, o perueiro que transportava as crianças até suas casas se ofereceu para avisar a família, enquanto os funcionários acompanhariam a criança até o hospital.
A ambulância levou a criança para o Hospital Antena, mas devido à gravidade das lesões, transferiram-na para o Hospital Geral do Pirajussara.
A mãe da criança ao chegar ao hospital foi informada pelo médico que a situação era grave, pois seu filho teve perda de massa encefálica e estava com sangramento intenso sendo acompanhado por médicos da UTI.
No mesmo dia, os pais registraram Boletim de Ocorrência como lesão corporal culposa (quando não há intenção de matar), na qual aponta várias informações desencontradas que foram repassadas pela direção da escola

Tragédia anunciada

O rack onde ficava a televisão era o mesmo utilizado para todas as oito salas de aula da escola, diferente da primeira informação repassada à mãe pelo diretor que seu filho estudava “na sala de vídeo e o televisor do recinto caiu sobre R., lesionando sua cabeça”.
Já as informações repassadas a mãe pelos funcionários, “pois disseram que a televisão encontrava-se presa na parede por um suporte e depois mudaram a versão dizendo que estava sobre um carrinho móvel”.
Na verdade não existe sala de vídeo, já que a mesma foi transformada em sala de aula.
Ocorre que, segundo relatos, esse mesmo rack (ou carrinho de rodas como consta no B.O.), com cerca de 1 metro e meio de altura estava sem uma de suas rodas, foi retirada recentemente, pois o defeito nesta impedia seu transporte entre uma sala e outra.
Sem uma das rodas, ainda segundo informações, o rack, tombava para o lado que faltava a roda quando alguém se apoiava nele.
É muito provável que a criança tenha se pendurado nessa parte do rack, trazendo o aparelho de TV abaixo e batendo em sua cabeça.
Imaginem uma TV antiga de 29 polegadas escorregando de uma altura de 1,5 metros na cabeça de uma criança de 5 anos? Lamentavelmente tudo leva a crer que foi o que aconteceu.
Talvez isso explique a pressa com que se procurou limpar a sala, levar o rack para a diretoria e tirar o resto das rodas (pelo menos é a informação), pois a perícia quando chegou não pode fazer uma investigação adequada. Uma forma de esconder o verdadeiro motivo do acidente.
O que poderia ter sido evitado se a solicitação para arrumar o móvel feito pelas professoras fosse encaminhada.
Mas como sempre, só depois que acontece o pior se toma as devidas providências.

Responsabilização do trabalhador

Como sempre acontece quando os serviços públicos não funcionam direito, seja pela falta de profissionais, seja pelo descaso, a vítima é a população e o responsável é funcionário. Os governos tratam de se isentar de suas responsabilidades arrumando um culpado para pagar o pato. Essa parece ser a estratégia da secretária de educação.
Na cidade que se autodenomina “Cidade Educadora”, essa tragédia evidencia de forma inequívoca a farsa deste título.
A Comissão Independente de Professoras ADIs, constantemente, vem denunciando o problema da lotação da salas de aula, a precarização dos serviços, a falta de funcionários, problemas de infra-estrutura básica em algumas escolas e práticas de assédio moral.
Enquanto isso, o secretário finge que está tudo bem e tenta passar para a população em publicações caríssimas a ideia de que a educação em Taboão da Serra é exemplo para o mundo. Mas não é!
Em hipótese nenhuma podemos admitir que a responsabilidade por essa tragédia seja colocada sobre os ombros da professora. Se isso acontecer todo funcionalismo e país devem ser solidários e apontar os verdadeiros responsáveis.
Tenho uma filha de 3 anos e um filho de 12 anos e imagino o sofrimento dos pais. Deixo minha solidariedade e torço para que o pequeno RPCS se recupere o quanto antes e volte a brincar e estudar com seus coleguinhas de sala. 

NOTA SOBRE O ACIDENTE NA EMI BIDU

Publico nota da Comissão de Professoras ADIs - ATASPACTS a respeito do acidente ocorrido com uma criança da EMI Bidu de Taboão da Serra



Nós, trabalhadoras e trabalhadores da educação de Taboão da Serra, lamentamos o acidente ocorrido na EMI Bidu, nos solidarizamos com os colegas desta escola e com os pais do aluno atingido pela tv na tarde do dia 19/9.. 

É verdade que acidentes ocorrem, mas é verdade também que acidentes podem e devem ser evitados. Existe toda uma legislação sobre acidentes de t
rabalho. Há uma série de orientações sobre acidentes com crianças que podem e devem ser evitados.

O que sabemos também é que as condições de trabalho nas escolas, a superlotação das salas, o número mínimo de profissionais, a infra estrutura e a má qualidade dos equipamentos contribuem para a insegurança com que trabalhamos com as crianças em muitas escolas (vidros quebrados com cacos expostos, goteiras e chão molhado, fios desencapados, carteiras quebradas, entulhos pelos corredores, buracos de esgoto sem ralos, sanitários entupidos, etc).

Quando denunciamos esta situação é para cobrar do governo a plena condição de funcionamento seguro das escolas, justamente para evitar qualquer tipo de acidente e também para evitar que os profissionais da educação sejam responsabilizados quando estes ocorrem. O que é praxis dos governantes: colocar a culpa nos trabalhadores.

É muito grave tentar encobrir a responsabilidade dos governantes (como faz Paula Peres), pois assim ao não cobrar destes a melhoria das condições das escolas, contribui para que acidentes como estes continuem a ocorrer. Qual o interesse político de quem defende o governo Evilásio?

Mais do que lamentar o acidente, a Secretaria de Educação tem que assegurar todas as condições para que outros não ocorram:
* Pelo cumprimento imediato da lei 1853/2009, que estabelece o máximo de alunos por sala;
* Pela melhoria imediata das condições da escolas que precisam de reformas, troca de carteiras, conserto de ventiladores, consertos de descargas, goteiras, aquisição de equipamento adequado, manutenção de parques e equipamentos, etc;
* Pela valorização imediata de todos os profissionais da educação.

Estamos na expectativa de que a recuperação deste aluno seja plena e satisfatória.

Comissão Independente das Professoras ADIs - ATASPACTS.
20/9/2012

terça-feira, 18 de setembro de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA NESTA QUARTA CONTRA OS EXTERMÍNIOS NAS PERIFERIAS


Do site do MTST


CONVITE PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA:

PELO ESCLARECIMENTO DOS CASOS DE HOMICÍDIO NAS PERIFERIAS DE SÃO PAULO



Nos últimos meses ocorreram uma série de assassinatos não esclarecidos e em escala atípica em vários bairros periféricos da capital e da região metropolitana de São Paulo. As vítimas são cidadãos anônimos, trabalhadores e trabalhadoras, cuja perda
frequentemente passa à margem dos noticiários.
É o caso, por exemplo, de Adilio Bezerra de Sá, pintor, pai de 3 filhos e liderança comunitária respeitada por todos no Fundão da M´Boi Mirim (extremo sul da capital). Adílio foi brutalmente assassinado na madrugada de 24 de junho, juntamente com seu amigo, Orlando Rodrigues, quando  iam para o trabalho.
Foram dois, dentre muitos outros casos semelhantes: Itapecerica da Serra, Capão Redondo, Sapopemba, Jaçanã, Grajaú, Jardim Angela foram algumas regiões em que também ocorreram casos atípicos de homicídios não esclarecido no último período.

Por esta razão, convidamos a todos para participarem de Audiência
Pública, no próximo dia 19 de setembro, a partir das 14 horas, no
Auditório Paulo Kobayashi, da Assembléia Legislativa de São Paulo. A
proposta desta Audiência será dar voz aos familiares destas vítimas e
exigir o esclarecimento destes crimes.


segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Os ataques à juventude exigem uma resposta



Estamos em mais uma eleição municipal, e mais uma vez vemos candidatos de todos os partidos tentando nos convencer de que estão do lado da população, que se preocupam com os problemas da cidade e que têm a solução mágica para os males que atacam os jovens: desemprego, discriminação, criminalidade e péssimas condições de saúde, educação e moradia. O que não dizem é que todos eles, em maior ou menor grau, estão comprometidos com interesses que não têm nada a ver com os nossos: empreiteiras, imobiliárias, grandes donos de terras, policiais e políticos corruptos, todos interessados em enriquecer e fazer negócios às custas do dinheiro público.

Os principais candidatos da direita de Taboão (Aprígio e Fernando Fernandes) têm a mesma política em quase todas as áreas: para moradia, garantir o lucro da especulação imobiliária construindo prédios de luxo e empurrar os pobres para as áreas mais afastadas e precárias da periferia; para o transporte: priorizar apenas o transporte individual, enquanto a maioria dos trabalhadores se espreme em ônibus superlotados e caros; para a segurança, ROTA na rua, matando e esculachando quem aparecer pela frente, sem se importar quem é bandido e quem é trabalhador; Saúde e educação, privatização e mais privatização, quem quiser que pague e quem não puder que se lasque.

É assim em Taboão e é assim em todos os municípios desse país, onde para os grandes partidos as eleições são apenas uma aposta para ver qual quadrilha irá gerenciar os negócios das grandes empresas. E isso não é só um problema nosso: podemos ver em vários países (até na Europa, antes um símbolo do Bem Estar Social) que governos agem de forma brutal para garantir o lucro das grandes empresas, atacando as condições de vida e emprego dos trabalhadores, e quem sofre mais com isso são o jovens, que veem sua chance de ter um futuro melhor diminuírem à medida que a crise econômica se aprofunda.

Mas, também vemos reações a isso. Movimentos de protestos, muitas vezes iniciados pela juventude, abalam e muitas vezes até derrubam governos. Foi isso que vimos no Egito e Tunísia, o que vimos no movimento dos Indignados da Espanha e do movimento Ocupe nos Estados Unidos. E aqui, no Brasil também, vemos jovens e trabalhadores se organizando: Em Natal, um enorme movimento dos estudantes reverteu o aumento da passagem dos ônibus municipais; movimentos como o MTST ocupam terrenos vazios, usados apenas para a especulação imobiliária; e vimos nos últimos meses a maior greve das universidades federais dos últimos anos.

Tudo isso mostra que os trabalhadores e jovens têm disposição para lutar. É por isso que nós, da LSR (Liberdade, Socialismo e Revolução e do núcleo socialista do PSOL), estamos convidando você, jovem trabalhador e estudante para discutir conosco esses grandes eventos dos últimos meses.

Data: 22 de setembro
Horário: às 15 horas
Local: Av. Jovina de Carvalho Dáu, 125, centro, em frente à EE Domingos Mignoni)
Contato: 99729-6169 e-mail: afonso.lsr@gmail.com


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Como resolver o problema da moradia em Taboão?

     Cartaz do debate de sexta-feira onde os candidatos da Frente de Luta Socialista de Taboão da Serra debateram com Guilherme Boulos do MTST saídas para resolver o problema do déficit de moradias no município por uma ótima dos trabalhadores e dos mais pobres.



terça-feira, 11 de setembro de 2012

18/09, TERÇA-FEIRA,TODOS À CÂMARA! QUEREMOS SEGURANÇA PARA ESTUDAR!


Os casos de violência têm crescido assustadoramente em nossas escolas. Assaltos, arrastões, brigas e tantos outros fatos tornaram os alunos, professores e funcionários reféns do medo. Não podemos ficar calados, é preciso agir.
No dia 6/9, os estudantes, pais, mães e trabalhadores da Escola Estadual Edgar Francisco e de outras escolas da região do Jd. Guaciara fizemos uma grande manifestação que parou a Av. Kizaemon para chamar a atenção de toda a população para o problema da violência. Esse foi o primeiro passo, agora precisamos cobrar respostas concretas do poder público.  
Algumas ações bastante simples poderiam ser tomadas para tornar as escolas mais seguras: além da presença da polícia na porta das escolas, a simples melhoria da iluminação pública nas ruas de acesso às escolas, a poda dos galhos das árvores que bloqueiam a iluminação pública já inibiriam a presença de assaltantes. Isso é simples e devemos cobrar que seja feito, já!  
Nesse sentido, convidamos alunos, pais, professores e funcionários de todas as escolas a se reunirem e integrarem o
ATO DE PRESSÃO
SOBRE A CÂMARA MUNICIPAL DE TABOÃO DA SERRA:
Ø      DIA 18/9 – TERÇA-FEIRA
Ø      ÀS 17H CONCENTRAÇÃO NA PRAÇA NICOLA VIVILECHIO
(centro de Taboão)


COMITÊ CONTRA A VIOLÊNCIA


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Contratado por Fernando Fernandes, Instituto de pesquisa sem procedência e sem credibilidade dá ampla vantagem ao PSDB

Por José Afonso da Silva


Foi divulgada na tarde hoje pelo portal taboanense, pesquisa encomendada pelo candidato Fernando Fernandes, na qual o mesmo aparece com 70% das intenções de voto entre os eleitores de Taboão da Serra, uma vantagem de 51 pontos a frente do candidato de Evilásio e do PT, José Aprígio. Na terceira posição, com 3% das intenções de votos, está o candidato do PSOL pela Frente de Luta Socialista (PSOL/PSTU), Stan Szermeta.
A pesquisa foi elaborada pelo Instituto Opinião e Pesquisa, que diz ter entrevistado entre os dias 1 e 3 de setembro, 403 pessoas de diferentes faixas etárias e sociais. A mesma foi protocolada no cartório eleitoral com n° SP-00749/2012, estava sub judice devido a uma liminar, mas foi liberada hoje a tarde pela justiça eleitoral.
A pesquisa, por mais questionável que possa parecer, serviu como balde de água fria na campanha do empreiteiro José Aprígio/PSB e PT.
Corre pelos bastidores que para reverter o resultado desta pesquisa, Aprígio já trata de providenciar uma outra pesquisa para se contrapor a esta, e claro, com Aprígio a frente, ou pelo menos com um percentual menor atrás do candidato do PSDB.
Se pesquisas já são questionáveis por natureza, o que se pode dizer em Taboão? Pesquisas pagas pelos interessados e por um instituto desconhecido ao que tudo indica maquiou os dados com o objetivo de dar a vitória como dada.
Ao contrário de são Paulo, onde há vários institutos de pesquisas que acompanham a evolução das intenções de voto da população semana a semana, por mais manipuladores parciais que sejam,  sabem que apontar uma diferença muito grande com relação a votação real significa perda de credibilidade e prejuízo financeiro, imagine-se em Taboão da Serra com pesquisas são feitas ao gosto do cliente.
E outra, se pesquisa fosse fiel ao que pensa a população, nem precisaríamos de eleições.
Um dado que chama a atenção na pesquisa é o índice de rejeição dos candidatos, que de acordo com o Instituto Opinião e Pesquisa, Stan teria 35%, Aprígio, 33% e Fernando Fernandes, 13%. Qual é a base para a rejeição do candidato a prefeito Stan da Frente de Luta Socialista, sendo que muitos populares estão sabendo agora da existência de uma terceira candidatura. A lógica de qualquer pesquisa é que quanto menos conhecido, menor é a rejeição. E outra, Fernando Fernandes, depois de 8 anos como prefeito de Taboão da Serra, ter sido derrotado de forma acachapante na última eleição e de fazer parte de uma partido com a privatização e precarização dos serviços públicos ter apenas 13% de rejeição é muita pretensão e menosprezar a inteligência das pessoas.
Agora é um fato que a rejeição as candidaturas de Evilásio é muito grande, inda mais depois dos escândalos de corrupção apontados em 2011. O PT e o PSB ressuscitaram o PSDB em Taboão da Serra e vão pagar um preço alto por isso.
Reconhecemos as dificuldades de nossa campanha, que não aceita dinheiro de patrão, empreiteiro ou corrupto e ao mesmo tempo nos recusamos a fazer campanha com boqueiros pagos. Tudo isso diminui a visibilidade através de banners, carros de som e etc. Mas como dissemos em artigo anterior essa é a campanha do Tostão contra o Milhão e acreditamos que podemos conseguir muito mais votos do que em eleições anteriores.
A população de Taboão da Serra tem a oportunidade de dar uma resposta contundente à corrupção, ao autoritarismo, às práticas anti-funcionalismo e a demagogia eleitoral.
Afinal, Stan e os candidatos da Frente de Luta Socialista são as únicas candidaturas que estiveram nas ruas lutando contra a corrupção; contra o aumento da passagem para três reais; contra as alterações do Plano Diretor que favoreceram as empreiteiras; contra o vergonhoso aumento do salários dos vereadores; na luta em defesa da moradia; na luta em defesa das reivindicações das professoras ADIs; apoiando incondicionalmente a luta do funcionalismo e etc.

Nem corrupto, nem doutor!
Stan prefeito 50
Afonso vereador 50123


Petistas e tucanos unidos contra os trabalhadores – derrotar a nova e a velha direita nas urnas e nas ruas

Do site Liberdade, Socialismo e Revolução (LSR)
Editorial da Ofensiva Socialista n°11 - 23 de agosto de 2012


As eleições municipais acontecem em meio a um cenário de intensas lutas da classe trabalhadora e agravamento da crise.
Por mais que disputem entre si nas eleições, petistas e tucanos estão unidos contra a greve do funcionalismo federal, em defesa das privatizações, do pagamento da dívida pública aos banqueiros e especuladores.
Ambos estão atolados até a medula em escândalos de corrupção como o mensalão, o mensalão mineiro, a máfia de Carlinhos Cachoeira, etc.
Nos municípios, cortam verbas para os serviços sociais, defendem a especulação imobiliária, o transporte privado e arrocho do funcionalismo.
No processo eleitoral, o único voto útil é o voto contra essas políticas e a favor da saúde, educação e transporte públicos e controlados pelos trabalhadores. Um voto pela construção de moradias populares e uma verdadeira reforma urbana planejada e realizada pelos trabalhadores. Um voto contra a corrupção e a favor da construção de um autêntico poder popular e dos trabalhadores nos municípios.
Mas, não basta votar. É preciso organizar a luta independentemente do resultado eleitoral. Essa é a única garantia de que nossa voz será ouvida e nossas demandas serão levadas em conta.

Vote no PSOL 50 e junte-se à LSR na organização dos movimentos de resistência e luta por uma alternativa socialista.